21 de outubro de 2011

É o jeito...











É o jeito como sorri, como anda, como para, como olha, como chora quando acorda cedo, quando se espreguiça, quando faz acrobacias e se vira de ponta a cabeça. É o jeito como me abraça, como me aperta, como me ama. É o jeito simples e desprendido de ver as coisas, é o jeito de dizer que está tudo limpinho,  de dizer que não tem bactérias nocivas ao meu TOC. É o jeito como sopra o cabelo caindo no olho, como dorme todo enroladinho, como pergunta que horas são. É o jeito como me olha com aquela cara de coitado só pra me derreter inteiro.



É o jeito da gente viver devagarinho, miudinho, não se importando demais com coisa nenhuma. Felicidade se acha é só em horinhas de descuido. Eu sou meio (muito) ciumento, briguento, quero ser pai e mãe e acredito no amor pra vida inteira. Acredito no amor pra sempre, porque já encontrei o meu. Porque no fundo, você sabe que, mesmo dizendo que o certo é não precisar de ninguém pra ser feliz, não seria a mesma coisa se você não tivesse alguém especial com quem você quisesse dividir o pacote de biscoito de polvilho ou o pão-de-queijo com recheio de frango com catupiry. É o jeito de fazer eu me sentir mais especial que bombom Ouro Branco no meio da tarde de uma sexta-feira cinza. É desse jeito estranho e meio modernoso de enxergar o que muita gente não enxerga - sentimento fiel a sentimento fiel. 



Gosto de abraço de urso, beijo estalado, carinho no cabelo e sorriso bem largo, espaçoso, verdadeiro. Sou estranho? Acho que sou. Todo mundo fala isso, mas eu não dou muita bola pra essa gente que se acha o umbigo do mundo. Eu percebi que decorei o seu cheiro. Que pessoa normal decora o cheiro de outro alguém? Eu! Só. Isso me faz assim, um bobão absurdamente feliz por saber que, ao seu lado, nenhum segundo é por acaso. Eu queria te dizer tanta coisa... só te abraçando mesmo. O tempo tem uma forma maravilhosa de nos mostrar o que realmente importa. Não temo olho gordo, nem a inveja, nem os comentários maldosos dos infelizes. Sou de Deus, quem não é que se cuide. Hoje eu sei que a felicidade tem nome, tem cor, tem cheiro de lírio. Quer saber o que eu quero? Afeto, carinho, muito dengo, beijinhos e seu amor.



Pode até ser meio solitário correr contra a maré, mas como é gostoso olhar a multidão do outro lado e enxergar todo mundo pequenininho. Todo mundo que te criticou e não acreditou em você e esse seu amor maluco. Você pode ter defeitos (quem não os tem?), mas ainda assim é melhor do que o resto do mundo e, quem olha pra nós dois, sabe que tem algo a mais. Principalmente quando nossos olhos se encontram e instantaneamente ocorre uma ligação sobrenatural. Os olhos não mentem, todos nós sabemos. Ele é dedo duro. Conta tudo que há no coração. E no meu, bem…você sabe, tem amor.



Meu bem, você é a quarta folha do meu trevo. Com você, tudo é sorte!
21 de outubro - 27 meses






3 comentários:

  1. se eu chorei?



    Obrigado por estar ao meu lado, por ser meu apoio e minha fundação.
    Te amo!

    ResponderExcluir
  2. Coisa linda, minha gente! É muito amoor!
    Onde está a pessoa que vai comer biscoito de polvilho comigo?
    Ai ai, Diego, seu lindo, vc tem muita sorte!!
    Beijos :*

    ResponderExcluir

Deu vontade de falar alguma coisa? Então FALE!