31 de dezembro de 2011

Um brilho novo!








Que 2012 venha com muita saúde para todos nós!
Que sejamos abençoados.
Que sejamos bênçãos.
Que possamos construir mais que destruir.
Que tenhamos sabedoria para agir.
Que tenhamos paciência para esperar.
Que tenhamos força de vontade para mostrar que podemos fazer a diferença.

Meus queridos, 
um feliz novo brilho para todos nós!






26 de dezembro de 2011

Festa, correria, fim de ano e outras loucuras!








Festa de fim de ano sem a tradicional pergunta "Já é Natal?" não é festa de fim de ano, né?! Pois bem, parece clichê, mas alguém aqui deve concordar comigo quando digo que esse ano passou voando e sambando na nossa cara. Chegou, entrou, fez, aconteceu e agora já tá indo. Difícil acreditar, né? Parece que foi ontem que eu passei raiva no amigo-oculto, que gastei rios de dinheiro comprando presente pra um monte de gente que nem se lembrou de mim e da minha família, que pulei as sete ondas (mentira, nem pulei), que bebi e comi até me sentir uma jubarte (isso acontece sempre).


Quando a gente quer ter uma noção mais ou menos exata do tanto de coisas que aconteceu no ano, não basta apenas assistir à retrospectiva que passa na Globo. A gente precisa parar e começar a se lembrar de tudo o que viveu, os perrengues pelos quais passou, as alegrias que te fizeram perder o fôlego, os amores, os desamores, as intrigas e os momentos de felicidade plena. Ninguém é feliz 24h por dia todos os dias do ano, mas é bom que o saldo seja sempre positivo no final das contas. 


O meu ano foi ótimo! Graças a Deus! E eu tenho mesmo que agradecer a Ele. Tive muita saúde, muita paz, muito amor. Conheci lugares que ainda não tinha conhecido, passei férias na casa dos sogros, reencontrei tanta gente linda, fiz questão de ignorar as "sementes mal plantadas que já nascem com cara de abortadas", gargalhei, chorei pela partida da Amy e me emocionei com o lindo álbum póstumo dela, ganhei CDs da Gaga e me diverti muito ao som dela, me apaixonei pela Beyoncé depois de assistir o show da nova turnê, me desequilibrei com o novo álbum da Rihanna e dancei muito com todos eles. Reuni amigos, consolei, aturei chatos, fui ao encontro dos bons e vivi com eles momentos que ficarão pra sempre em minha memória. Comemorei mais um ano junto ao meu Rodrigo e aprendi, dia após dia, que o amor nasce e precisa sempre de manutenção para continuar vivo. Comemorei mais um aniversário dos meus pais e do meu irmão. Ganhei uma cunhada ( \o/ ). Me apaixonei pela minha sobrinha Sarah e não vejo a hora de estar com ela novamente. Ai quanta coisa boa! E quanta coisa eu vivi e sobrevivi. Que bom, que bom!


Enfim, o ano foi muito corrido, muito mesmo. Descobri que posso fazer muito mais do que já fazia e vou continuar fazendo sempre mais (2012 me aguarde). Descobri que sou forte o suficiente para derrotar fantasmas e apurrinhações. Desobri que, apesar dos pesares daquelas pessoas do contra, eu sou uma pessoa nota 10, que pensa nos outros, que não joga lixo na rua e que adota as cartinhas mais emocionadas do Papai Noel dos Correios, afinal de contas, não custa tanto ajudar uma criança a ter sonhos. Se eu sempre tive meus sonhos, nada melhor que ajudar outros a terem os seus. O blog ficou um pouco muito abandonado, mas em 2012 terei mais tempo para desabafar e contar com vocês por aqui. Esse blog é a minha paixãozinha mais bonita. 


Agora também faço parte da equipe da revista digital FakeU. A primeira edição saiu a pouco tempo e ficou linda demais, além de muito interessante. Quem quiser conferir, é só acessar: http://www.fakeumagazine.com. Daqui a pouquinho já sai mais uma edição. Acompanhem!


Saio de férias no dia 02 de janeiro e viajarei um pouco para descansar, espairecer a cabeça e recarregar minhas energias. Contudo, eu sempre acabo escrevendo alguns textos nas minhas férias. É bom que já chego postando aqui, ok? Espero não engordar muito e ter bastante alegria e saúde. Espero que vocês me desejem tudo de melhor que conseguirem desejar, pois estou desejando tudo isso a cada um de vocês. Que 2012 seja um ano glorioso para todos nós! Que a luz de Deus, Jesus Cristo e do Espírito Santo esteja sempre nos mostrando o melhor caminho a seguir. Que tenhamos muita saúde, pois o resto a gente precisa conquistar. É muito mais gostoso quando conquistamos. Nada de bandeja tem o mesmo valor do suor do nosso esforço. 


Um grande beijo a todos, muitos abraços e os melhores votos para o ano novo. Que seja próspero, que seja lindo e que nós possamos ser sempre cada vez melhores!


Volto dia 30 de janeiro, ok? Enquanto isso tem o arquivo com mais de dois anos de história aí pra vocês não me esquecerem!









2 de dezembro de 2011

É dia dele!











Eu não preciso (e nem tenho como mais) dizer o que você representa na minha vida. Todos esses anos, meses, dias, minutos e segundos são os mais lindos e bem vividos de toda a minha existência. Uma vida que se encheu de sentido quando você entrou, com esse seu jeito objetivo e direto e determinado, nesse meu coração. As flores da primavera ganharam mais cores, o vento ficou mais leve em meu rosto e todo som virou melodia para meus ouvidos. Tudo isso porque eu quero que você entenda que, independente de qualquer coisa, eu sempre estarei ao seu lado, cuidando para que você não tome chuva e nem derreta no calor. Cuidando para que seus desejos (na medida do possível e do impossível) sejam todos realizados. Um dia, há mais de DOIS ANOS, você tomou uma atitude que me encheu de alegria e que causou espanto (e porque não dizer inveja) em muitas pessoas - você escolheu o meu amor. Muitos torceram o nariz, falaram mal de nós, falaram que não ia durar nem uma semana, disseram que era loucura, desespero, burrice. Ledo engano. Hoje, com muito mais força, podemos mostrar a essas pessoas que amor verdadeiro existe SIM e que encontros acontecem quando precisam acontecer. Espero nunca te decepcionar e ser sempre o seu melhor - e único - amor. O que eu sinto por você é algo que não vai caber aqui, haja vista que não cabe nem no meu coração. Ele extrapola, se espalha por todo o corpo, por todos os neurônios. Todas as minhas sinapses precisam de você por perto para continuarem seu trajeto. E eu... bem, eu preciso de você antes de qualquer coisa, meu amor! Espero e confio que seu dia hoje (e sempre) será o melhor de todos. Que este aniversário seja o mais feliz desse ano e que o próximo ano supere esse e assim por diante. Que sua vida seja sempre cheia de alegrias, sucesso e felicidade. Que esses seus olhos lindos (que eu tanto amo) possam me abençoar todas as manhãs, tardes e noites e sempre. Que esse jeito não mude, porque eu te amo do jeitinho que você é. Conta comigo para fazer seus sonhos acontecerem. Eu estou aqui. Do meu jeito torto, desengonçado, atrapalhado e desastrado. 

Na ânsia de fazer o melhor para o outro, sempre erramos aqui e ali. Quero que meus acertos superem sempre os meus erros para que eu possa ser merecedor do seu amor e da sua fidelidade. 
Te amo do amor mais puro e infinito!



24 de novembro de 2011

Pra juntar e fazer um texto









O amor é muito mais que um "eu te amo". O amor requer olhar dentro da cicatriz, tocar fundo, buscar o infinito que reside dentro de um breve suspiro. É ter plena consciência de que você não está só em momento algum. É querer o seu bem, mas somente depois de ver o bem que se fez pelo outro. É olhar o outro em suas diversas formas e formatos. O que te faz feliz? O que faz ELE feliz? Essa entrega é absurda. É quase desumana. Mas o amor é assim - uma doce desumanidade.
 
Só entendemos o verdadeiro sentido de "amor" quando nos interrogamos e olhamos bem fundo no espelho. Lá, encontramos a nossa verdade dentro de nossos olhos. É ali que mora a resposta de todo seu amor. O amor tem que ser próprio antes de ser de outrem.
 
Ahh, o amor!
Sempre o amor, né?
 
 

21 de outubro de 2011

É o jeito...











É o jeito como sorri, como anda, como para, como olha, como chora quando acorda cedo, quando se espreguiça, quando faz acrobacias e se vira de ponta a cabeça. É o jeito como me abraça, como me aperta, como me ama. É o jeito simples e desprendido de ver as coisas, é o jeito de dizer que está tudo limpinho,  de dizer que não tem bactérias nocivas ao meu TOC. É o jeito como sopra o cabelo caindo no olho, como dorme todo enroladinho, como pergunta que horas são. É o jeito como me olha com aquela cara de coitado só pra me derreter inteiro.



É o jeito da gente viver devagarinho, miudinho, não se importando demais com coisa nenhuma. Felicidade se acha é só em horinhas de descuido. Eu sou meio (muito) ciumento, briguento, quero ser pai e mãe e acredito no amor pra vida inteira. Acredito no amor pra sempre, porque já encontrei o meu. Porque no fundo, você sabe que, mesmo dizendo que o certo é não precisar de ninguém pra ser feliz, não seria a mesma coisa se você não tivesse alguém especial com quem você quisesse dividir o pacote de biscoito de polvilho ou o pão-de-queijo com recheio de frango com catupiry. É o jeito de fazer eu me sentir mais especial que bombom Ouro Branco no meio da tarde de uma sexta-feira cinza. É desse jeito estranho e meio modernoso de enxergar o que muita gente não enxerga - sentimento fiel a sentimento fiel. 



Gosto de abraço de urso, beijo estalado, carinho no cabelo e sorriso bem largo, espaçoso, verdadeiro. Sou estranho? Acho que sou. Todo mundo fala isso, mas eu não dou muita bola pra essa gente que se acha o umbigo do mundo. Eu percebi que decorei o seu cheiro. Que pessoa normal decora o cheiro de outro alguém? Eu! Só. Isso me faz assim, um bobão absurdamente feliz por saber que, ao seu lado, nenhum segundo é por acaso. Eu queria te dizer tanta coisa... só te abraçando mesmo. O tempo tem uma forma maravilhosa de nos mostrar o que realmente importa. Não temo olho gordo, nem a inveja, nem os comentários maldosos dos infelizes. Sou de Deus, quem não é que se cuide. Hoje eu sei que a felicidade tem nome, tem cor, tem cheiro de lírio. Quer saber o que eu quero? Afeto, carinho, muito dengo, beijinhos e seu amor.



Pode até ser meio solitário correr contra a maré, mas como é gostoso olhar a multidão do outro lado e enxergar todo mundo pequenininho. Todo mundo que te criticou e não acreditou em você e esse seu amor maluco. Você pode ter defeitos (quem não os tem?), mas ainda assim é melhor do que o resto do mundo e, quem olha pra nós dois, sabe que tem algo a mais. Principalmente quando nossos olhos se encontram e instantaneamente ocorre uma ligação sobrenatural. Os olhos não mentem, todos nós sabemos. Ele é dedo duro. Conta tudo que há no coração. E no meu, bem…você sabe, tem amor.



Meu bem, você é a quarta folha do meu trevo. Com você, tudo é sorte!
21 de outubro - 27 meses






14 de outubro de 2011

Liberte-se!







Eu sempre soube que um dia esse abraço ficaria pequeno e apertado demais para nós dois. Era muita gente dentro dele, muitas vidas, muitos problemas e muitas coisas que nós sempre demos um jeitinho de colocar entre esse nosso tão sinceramente vadio amor. Era amor além de alguma estrutura inacabada, era único, era polar e, ao mesmo tempo, era tropical. Era uma coisa que eu não vou saber te explicar. Toda vez que o sol nasce no horizonte eu tenho a certeza que seu objetivo é raiar. Forte. Sincero. Tranquilo. Avassalador. Sinto que seu objetivo não é alcançado quando as nuvens insistem em cobrir seu brilho, mas ainda sim ele está lá, lutando contra as nuvens, fazendo chover, abrindo espaço, invocando um turbilhão de raios e vapores quase etéreos e, ao mesmo tempo, tão sensuais e românticos. Soou um pouco extremo isso, né? Talvez seja a ferrugem desses dedos cansados de tanto fazer o mar ter seu peixe de volta. Enfim, nosso abraço ficou assim... um pouco velho demais para nossas calças jeans desbotadas.



Mesmo assim eu quero estar aqui dentro, perto, junto. Quero (e preciso) ter esse amor sempre sadio e bonito bem pertinho dos meus ouvidos. E é muito bom tê-lo, mesmo que apertadinho, nesse abraço tão gostoso e fraterno. Hoje somos metades encontradas que se perderam pelo caminho. Esse reencontro foi inesperado, esteve suspenso no universo. É por ele que todos acordamos e acreditamos no caminhar. Diga que você se arrependeu de tentar, diga que você não quer mais, diga isso tudo olhando dentro dos meus olhos. Só assim vou encontrar a verdade dentro de você. Eu sei que isso é um devaneio insano de um jovem escritor de vinte e poucos anos, mas todos nós precisamos ter o nosso alguém para amar. Antes dele, a jornada é longa e bastante tortuosa. Somos chamados pela coragem a enfrentar o árduo desafio de aprendermos a nos amar antes de tentar buscar o amor no outro. Só o nosso amor-próprio é capaz de construir um sentimento, uma vida em comum. Somos metades completas que precisam se encontram em algum ponto da estrada. Somos sementes germinadas esperando a hora certa de brotar entre as pedras. Somos todos os espinhos que desenvolvemos e são esses espinhos que nos ajudarão a vencer dia após dia. 



Ele queria o mundo, queria estar no mundo e queria construir um mundo perfeito - onde as pessoas eram perfeitas e nascidas especialmente para você, sem passado, sem história, uma página inssossa e em branco, pronta para você desenhar o que quisesse. Não é assim, bebê! Hoje é dia de acreditar na experiência do outro, em tudo o que ele viveu, em tudo que fez ele estar preparado para ser esse amor tão grande em sua vida. Hoje é dia de amor, bebê! É dia de flutuar feito bolha de sabão pela atmosfera do céu da boca mais bonita que você já beijou. E não adianta tentar fugir ou se esconder nas prateleiras do supermercado, você foi fisgado! E isso já tem tempo. Só você não consegue ver e aceitar que, assim como todo bom ser humano, somos errados e errantes em nossa tarefa diária - a vida. Eu ficaria bem, mas não essa noite. Essa noite eu preciso e quero só você entre os meus lençois. Na verdade, eu nunca quis outro. Esse lugar é e sempre será somente seu. Na verdade, eu sempre quis um eterno reprise dessa noite. Quero nosso amor no repeat e no shuffle, para que nunca percamos o rebolado, o jogo de cintura, o tesão, a paixão e esse tal amor.



Eu tenho uma língua grossa, nervosa, inquieta. Ela não se contém e sempre precisa dar nos dentes toda a fúria dessas palavras que fervem dentro de mim. Isso me deixa tão nu, tão eu, tão tão tão vulnerável que acabo parecendo ser mais forte do que qualquer arma de guerra já inventada. As pessoas não conseguem perceber que essa brutalidade nada mais é do que a mais pura revelação d'uma alma em chamas, transbordando as palavras não ditas e esquecidas no fundo do baú. Revirar tudo, jogar fora remorsos acumulados. Quem gosta de você te compreende e sabe a extensão do seu coração. E o melhor: sabe exatamente quanto custa o metro quadrado dessa terra de amor e sinceridade. Essas palavras que parecem um chicote ferem muito menos do que o sentimento que você alimenta dentro de você. Esse sentimento ruim, feio, que faz mal não só a você, mas a todos que estão a sua volta. E eu não quero isso para mim, eu tenho um abraço que me cabe, eu tenho um amor para beijar numa manhã chuvosa, eu tenho todo o tempo do mundo para que você perceba quem é que está fazendo mal a quem aqui nessa história furada que você inventou para você.



É sempre escuridão antes do amanhecer. A luz vencendo as trevas, o bem vencendo todo o mal que vive nas pessoas. As trevas são para os que não querem lutar. Liberte-se! Esse rancor só vai fazer você se envenenar, pouco a pouco, minuto após minuto. Deixe o passado para trás, veja uma saída, construa um novo caminho caso seja necessário. Seja como a água, que arrebenta as pedras e passa por cima de todos os obstáculos. Porém, respeite as margens do rio, respeite as plantas que já estavam ali. Apenas nunca deixe que nada impeça seu caminhar, sua evolução. Enfrente seus medos de frente, não fuja, não busque artifícios. Somos fadados a decepção quando não nos damos conta do tanto de coisas que fazemos e dizemos em busca da perfeição utópica que se criou a nossa volta. Essa perfeição não existe. Cai na real.






Sabemos que é o amor somente porque é o amor. 
Não adianta fingir ou tentar se esconder.
É amor e ponto.
É amor e vai fazer valer a pena se apertar nesse abraço.
É amor e vai valer a pena toda luta.
É puro e simplesmente amor.








1 de setembro de 2011

Ahh, Caio...








“Ele tem muita dúvida como todos têm. Mas nem todos sabem a beleza de saber lidar com a tristeza. Ele sabe. Ele ouve a música que seu coração pede e modela seu ritmo ao seu estado de espírito. Ele dança a coreografia de seus sentimentos, e todos podem ver. (…) Ele é mais que um sorriso tímido de canto de boca, dos que você sabe que ele soube o que você quis dizer. Ele fala com o coração e sabe que o amor, não é qualquer um que consegue ter. Ele é a sensibilidade de alguém que não entende o que veio fazer nessa vida, mas vive.”

Caio Fernando Abreu adaptado para o masculino.






SETEMBRO



"Que setembro venha com bons ventos, que me traga sorte e amor, que não me deixe sofrer, por favor."

Caio Fernando Abreu



29 de agosto de 2011

Mera coincidência?





Ahh que alegria!
Tem texto meu no jornal Folha do Povo, aqui de Ubá - MG, nesta edição.
O tema, muito discutido na época da novela, é a homofobia e a forma como a mídia lida (e lidou na época da novela Insensato Coração) com o assunto.

Leia abaixo:






Sinto que estamos caminhando rumo a uma liberdade definitiva em relação aos nossos direitos, valores e, principalmente, nossa própria consciência. Muitos vão discordar, outros vão comentar aqui dizendo o contrário, mas no fundo, bem lá no fundo, somos todos preconceituosos e precisamos (urgentemente) rever tudo isso. O Brasil, um país completamente miscigenado e hipócrita, viveu anos sob a luz de um conservadorismo exacerbado e caótico. Isso está mudando sim e vai mudar muito mais. A nova sociedade que está sendo "filtrada" e "lapidada" pelas nossas mãos tende a uma democracia mais humana e justa. Uma democracia que não vai mais conseguir julgar uma pessoa pela cor da pele, religião, orientação sexual ou qualquer outro artifício que é tão amplamente utilizado nos tempos de hoje.



Na semana passada, o Brasil pôde assistir a uma das cenas mais chocantes e traumatizantes que eu já vi em uma telenovela brasileira. Não se parecia com um filme de terror. Não, não era um filme de terror. Não era ficção. Assistimos a uma cena da realidade brasileira. Um jovem de dezoito anos foi espancado e morto por um grupo de arruaceiros e criminosos, liderados por uma pessoa cheia de ódio e falta de informação. Esse jovem foi morto a pontapés e violentos golpes e socos sem nenhuma piedade, embora tanto ele tenha implorado para que não o machucassem. Ele morreu apenas por estar vivo. Esse foi o motivo desse jovem ter sido tão brutalmente assassinado. Estava vivo e era homossexual. Isso me revoltou de uma forma avassaladora, contudo eu precisava analisar friamente o fato que aconteceu na novela.



Fatos como esses tornaram-se corriqueiros nessa sociedade em evolução. Pessoas despreparadas e cheias de ódio vêm ocupando a vida de cidadãos com o terror e a violência. Há pouco tempo, um pai perdeu a orelha quando foi agredido por estar abraçado ao filho adolescente. Os agressores pensaram que eles fossem um casal. Ok. Agora me respondam: quem são esses projetos de “justiceiros” que inventam leis e têm o direito de “pensar” que alguém é gay e que isso lhes dá o direito de agredir, machucar e aterrorizar o seu semelhante. “Vim te ensinar a ser homem”, afirmou o assassino do rapaz da novela. Isso não existe, minha gente! Que mundo é esse que nós alimentamos todos os dias quando aceitamos ver um jovem ser assassinado na novela e não aceitamos ver uma cena de carinho entre pessoas do mesmo sexo? Que sociedade mesquinha é essa que aceita um assassinato e não aceita um beijo entre um casal de namorados do mesmo sexo? Que hipocrisia é essa num país de tamanha diversidade.




Queimaram um índio certa vez porque “acharam” que fosse um mendigo. Agrediram uma empregada doméstica porque “acharam” que fosse uma prostituta. Deceparam a orelha de um pai e bateram nele e seu filho porque “acharam” que os dois fossem gays. Quer dizer então que se todos esses “achismos” fossem verdade a agressão estaria perdoada? Isso é atitude de um século de pura evolução ou estamos retornando à Idade das Trevas? Os nossos senhores feudais modernos voltarão a ter escravos? Será que dessa vez os escravos serão brancos? Será que serão gays? Ou será que serão todos os que se omitirem perante essa atitude ignorante e repressora? O que será de nós, meu Deus? Ao mesmo tempo que evoluímos, percebemos que ainda estamos muito distantes de todo o apogeu dessa liberdade verdadeira e democrática. Homofobia, meus caros, ainda não é crime. Uma criança que rouba um pão na padaria passa a sua juventude sofrendo maus tratos em instituições de “reabilitação” por ser crime roubar. Não estou dizendo que é certo roubar, mas um babaca que agride um homossexual por simples “achismo” ou ódio escancarado continua agredindo a todos que ele julgar certo porque, acredite ou não, homofobia ainda não é crime. É disso que eles gostam: de criminalizar o banal e fechar os olhos perante crimes que não tem justificativas.




Mera coincidência ou milhares de rapazes e moças são assassinados a todo momento em nosso país? Tomara que o recado dos autores da novela não seja captado apenas pela emissora, mas também pelos telespectadores. Tomara que a morte de Gilvan, o jovem da novela, sirva de alicerce para a construção de uma nova sociedade baseada no respeito e na dignidade humana. O que não é certo é chegarem, te devorarem com suas condições pseudonormativas, fazerem de você uma ameba, promoverem uma lavagem cerebral e, aí sim, soltarem você nessa selva ridícula de gente estranha que só pensa em se promover e se mostrar mais poderoso que eles próprios. Querem fazer de você uma máquina programada, um poderoso chefão que não manda nem no próprio nariz. Não, esse não sou eu. Esse não serei eu. O verdadeiro eu que habita em mim precisa de muito mais para continuar vivo. Ele precisa de você, de você e de você também. Esse meu eu é sedento de saber, de conhecer, de experimentar. Ele precisa de muito mais que seu arroz-com-feijão pra ser feliz. Essa lavagem cerebral é completamente reversível, basta você querer. Porque é sempre assim - a vida chega, te vira do avesso e aí você acaba descobrindo que o avesso é o seu lado certo.




Diego Muzitano é Jornalista, trabalha com Comunicação e Marketing, tem um blog e gosta de acreditar que um dia teremos um mundo onde todos serão respeitados pelos seus valores.


19 de agosto de 2011

Coisas que eu deveria saber





"Vai menina, fecha os olhos. Solta os cabelos. Joga a vida. Como quem não tem o que perder. Como quem não aposta. Como quem brinca somente. Vai, esquece do mundo. Molha os pés na poça. Mergulha no que te dá vontade. Que a vida não espera por você. Abraça o que te faz sorrir. Sonha que é de graça. Não espere. Promessas, vão e vem. Planos, se desfazem. Regras, você as dita. Palavras, o vento leva. Distância, só existe pra quem quer..."

Caio F.


Sou daqueles que pensa que existem coisas que deveriam vir num prático manual de instalação. Tudo bem detalhadinho, tudo no seu devido lugar. Informações deveriam vir gravadas num disco bem rígido em nosso continente cerebral, com sinapses bem encontradas e, ao mesmo tempo, muito distantes entre si. Acredito nessa beleza que deve ser viver uma vida cheia de liberdade. Liberdade que enche o peito e quase sufoca. Liberdade é estar vivo dentro de si próprio. Você pode estar amando ou não, namorando ou não, casado ou não, enrolado ou não. A liberdade independe disso tudo. Se você procurar o amor que você precisa em outras pessoas, a decepção será um fato constante em sua vida. Somos humanamente incapazes de "ser".



O fato é que você nunca encontrará o que está procurando no amor se você não amar a si mesmo. O amor é uma consequência de tudo aquilo que você amealhou durante todos esses anos. Podemos calcular as horas, a quantidade meias na gaveta, quantas calorias ingerimos num prato de macarronada, mas temos a incapacidade de calcular o tempo que perdemos tentando ser uma coisa diferente do que verdadeiramente somos. A grande piada nisso tudo é que a gente se engana, se machuca, aparece com o rosto e o coração todo arranhado no fim do dia e, mesmo assim, não desistimos de continuar sendo o que não queremos ser. Falar a verdade, ser nu e cru. Ser gente de verdade vivendo num mundo de gente de mentira. Eu sei que é difícil, mas não é impossível. Precisamos vencer as batalhas diárias que enfrentamos contra tudo aquilo que nos puxa para o fundo do poço. O egoísmo, a ganância, a falta de amor ao próximo. A vida sem movimento. Precisamos nos abastecer de sabedoria e informação para seguir em frente. Precisamos seguir sempre em frente.



Somos predestinados a viver uma utopia a cada amanhecer. O comercial da fábrica de maravilhas gordurosamente saborosas, o chocolate que deu certo no mercado, a calcinha que levanta o bumbum e te deixa tipo a Carla Perez quando colocou a busanfa no seguro - tudo isso quer te fazer um pouco mais ignorante e menos preocupado com o que vem pela frente. Enfrentamos desafios e queremos nos entregar nas primeiras dificuldades que aparecem. Somos covardes. Precisamos deixar de ser. Como fazer? Bota pra rodar. Põe a vida pra girar. Deixa o movimento te conduzir como um bom e velho amigo dançarino. Parados não podemos ficar e o caminho certo é aquele que te faz feliz. Piegas? Clichê? Quem te fez acreditar que pieguice e clichê não fazem parte do nosso imaginário? Vasculha tudo o que se perdeu de bom aí e verifica se grande parte não era um bom e velho clichê bem piegas. Aposto que sim.



Velhos amores, mágoas malditas e remodeladas. O perdão deixou de existir para vocês no dia em que decidiram viver num verdadeiro inferno. Amar é não ocupar-se do passado. É apagá-lo com uma borracha. Se não deu pra apagar, arranca a folha, joga fora e vai ser feliz com quem você realmente ama. Conveniências só enchem a barriga, o coração continua naquele mesmo deserto de cores. Vingança é um prato que se come com pedras na garganta. A gente engole junto toda a dor que causamos e isso, meu caro, é triste! Vivemos num mundo sem voltas, porque, mesmo que você volte pra cá em outras vidas, não será a mesma coisa. Será outra vida, outro tudo. Você está aqui para viver o presente, esse presente que você tem que construir. Se você destroi um sentimento, não poderá colar como você fazia com seus brinquedos quebrados. Seus pés estão indo no lugar de suas mãos e não sou eu quem vai deter o rumo dos acontecimentos. Aliás, nem quero. Todo ser humano nasceu com a incrível capacidade de raciocinar e decidir viver o que for melhor para o seu bem-estar. Se você quer deixar a banda passar, ótimo. Não faz diferença pra banda, porque a banda, independente do tempo que você precisa para se colocar de volta no universo, não vai parar para te esperar. A banda vai passar, assim como o rio, o vento, a devastação que os amores que deixamos escapar causam em nosso peito.



Respeito é uma coisa que a gente traz estampado na cara. Tem que ser item principal de fabricação. Tem que ser cheio de aplicativos e coisinhas o tornem cada vez mais ativo e participativo na vida de todo mundo. Não acho certo você chegar, desabar todos os seus dramas em cima de mim, eu ouvir tudo e tentar ajudar, gastar meu tempo analisando a situação e sofrendo junto, pra no fim de tudo você virar e dizer que vai se entupir de café. Respeito? Oi? Enfim, amigo é pra essas coisas, né? Para ouvir e não ser ouvido jamais. Seria mais fácil fazer como todo mundo faz: sorrir, cumprimentar, dizer que ama e nunca precisar passar por nenhuma situação de realmente ajuda. Mas eu não consigo ser assim. Se eu gosto de você, eu estou aqui. Se eu não gosto, você não me tem por perto. É uma matemática bem simples e objetiva.



Com amor não é diferente: você precisa aprender a lidar com ele para se dar bem na história. Entenda-se aqui que "se dar bem na história" quer dizer ser feliz com quem você ama, respeita e quer cuidar para toda vida. Tem dias que o céu fecha e fica tudo meio nublado, tem dia que chove uma chuva bem cheirosa, tem dia que cai aquela tempestade, tem dias que você quer uma piscina para refrescar o sol. É assim, no amor você tem que estar preparado para viver todas as estações, num mesmo dia, todos os dias.



Bom amor pra todo mundo!



A música é velha, a dancinha é brega, mas eu amei quando essa música foi lançada.
Fiquei séculos sem ouvir até que tocou na rádio há duas semanas.
Baixei e, desde então, ela faz parte da minha playlist.
Letra, melodia, tudo lindo!




Westlife - If I Let You Go





17 de agosto de 2011

Tempo, tempo, tempo!








Eu sei que estou em falta com o blog e que já tem muito tempo que não posto nada.

Enfim, ser adulto não é tão legal quanto nos tempos de criança. É muita correria. Falta tempo para fazer o que se gosta de fazer, falta inspiração no meio de tantos papeis e formulários e coisas para resolver.
Mas não se preocupe, vou resolver tudinho e me jogar de novo nos braços desse meu vício que é escrever.

Beijo a todos os queridos que vieram aqui e não desistiram de voltar!
Me esperem. Daqui a pouco tem coisa nova e boa pra vocês aqui.


Diego Muzitano







2 de agosto de 2011

Sinestesia








Vai chegando a primavera e eu já começo a sentir esse cheirinho agridoce da chuva caindo na terra seca. Acho que essa é uma das melhores sensações despertadas em mim pela natureza. Ela se opõe a essa saudade amarga que sinto dos tempos em que o vento soprava aquele cheiro de mato logo depois que os cavalos pisoteavam a relva. Era uma voz áspera e ríspida intimidando todos os meus sentidos. Isso me paralisava pelo tempo que durasse aquele fenômeno. É nessa hora que uma melodia verde toma conta de todo o meu ser e um deslumbre faz vista grossa à simplicidade de todo esse esplendor. É vida sobrevoando o humano, o visível, o intocável.



Nesses momentos, me sinto acariciado por uma fragância quase espiritual, que vem recheada com as doses mais perfeitas de sedução, charme e elegância. Esse calor cor de aurora, essa visão deliciosa de ser exatamente quem se quer ser naquele momento. Essa liberdade inovadora para o ser humano me inspira de uma forma que eu não consigo explicar. Um sabor macio invade todo o meu ser e eu me sinto na obrigação de retribuir tamanha bênção. A minha vida (que fique esclarecido que estou falando da minha vida) será vivida por mim em todos os momentos. Não adianta você tentar me fazer acreditar nas suas verdades, não adianta você me fazer acreditar em você - eu só vou acreditar naquilo que me der motívos e justificativas suficientes para eu acreditar. Confiança tem um cheirinho doce que se desfaz perante atitudes traiçoeiras. 



Essa imensidão de pessoas que acreditam que possuem uma armadura a prova de tudo tem que passar a acreditar na verdade das pessoas que acreditam que o amor não resiste a tudo. E não resiste mesmo. Eu sou romântico assumido. Adoro chamegos, doces momentos e toda pieguice que possa existir. Ainda assim, sendo eu desse jeito, eu consigo ter lucidez para te dizer o seguinte: "Ei, você, amor não é garantia, ok? Amor não resiste a tudo, ok? O meu amor por você não vai superar os princípios que eu trago dentro do peito, ok? Portanto, meu amor, ande na linha." Essa luminosidade perfumada que criamos em torno do amor, quase como uma aura celestial, nos dá a nítida impressão de que estamos vivendo em outra dimensão, porém com alguns bloqueios. Eu não consigo abandonar meus valores para me jogar nessa dimensão. Eles vão comigo, pois fazem parte de mim, assim como os seus, que vão com você, pois fazem parte de você. Isso é a completude humana. Somos feitos de passados recolhidos dentro de uma caixinha bonitinha e bem guardada.



Nesse mundo de fantasia, onde até o som tem cor de ouro, temos que pisar em ovos para não nos deixar desviar do caminho que nos propomos a seguir. O outro não é brinquedo. Você também não. Respeito é a base de tudo. Carinho e compreensão mútua completam o pacote. Perseverança faz do amor um guerreiro imbatível. Contudo, assim como Aquiles, o amor como chuva caindo na terra já molhada, produz lama e deixa o calcanhar cada vez mais exposto. Como a superfície de uma flor, deixamos o amor à prova quando o colocamos em situações de risco. Perdem-se pétalas, fica a dor e a ausência de partes que a torna bonita. E é aí que todos nós erramos, pois esse ar lilás me enlouquece e me embriaga.



Saberes e deveres



  
Eu não sei tudo e nem quero saber. Quem sabe tudo não sente aquele gostinho bom do aprendizado, não tem aquela sensação maravilhosa da descoberta, não sente o prazer em entender determinado processo ou atividade. A gente aprende tanta coisa nessas tantas reviravoltas que as voltas do mundo sempre dá que eu fico até meio atônito com tanta informação. Geralmente, é muita informação pra pouco conteúdo e, como o importante é aprender com tudo, precisamos estar com nossas peneiras bem afiadas para poder separar o joio do trigo na comunicação do dia-a-dia.



Nessa escala de saber e fazer e aprender e escutar e propagar, somos meros aprendizes e sempre seremos. Não sabemos tudo e repito que não me interessa ser o dono de toda a sabedoria do mundo. Eu faço uma coisa muito bem, você faz outra e fulano faz outra totalmente diferente, mas com igual competência. Somos, assim, responsáveis pelo todo. Existem aqueles que são os melhores dos melhores dos melhores do mundo. Esses, como vocês já devem ter notado, tentam abraçar o mundo e acabam perdendo as rédeas da situação e não fazem nada do jeito que tem ser feito.



Até quando tapar o sol com a peneira faz dos nossos erros uma coisa um pouco menor? Errar deveria ser um ato normal, aceitável e que não denegrisse a imagem de ninguém. Porém, persistir no erro é que deveria ser crime inafiançável. Tem gente cabeça dura que leva porrada em cima de porrada e não muda de postura. A cabeça sabe que está tudo errado, mas ele insiste no erro. Errar já é, por si só, um tanto quanto desagradável. Errar várias vezes a mesma coisa é pior ainda.






25 de julho de 2011

E se eu não conseguir voltar?











E se tudo ficar perdido na poeira do tempo? E se tudo o que sempre sonhei estiver indo para o fundo de um poço úmido e escuro? E se eu não conseguir tirar isso tudo de lá? Não sei se tenho forças suficiente para aguentar o mal cheiro disso tudo... não sei se consigo. Aquele velho e bandido aperto no peito, aquela lágrima que fica presa no céu da boca, aquele suspiro triste de quem passou a noite tentando entender o que está errado. É nesse mundo que a gente passa a sobreviver depois das porradas do amor. Ah, o amor! Esse grande canastrão, esse filho de uma puta, esse vício que nos acorrenta.



Se eu pudesse escolher, não amaria de novo a mesma pessoa. Não agora. O amor se fez descrente pra mim nesse momento. Eu conheci o lado negro da moedinha dourada e não gostei do que vi. Eu esperava coerência, discernimento, maturidade. Tudo que encontrei foi um grande lago de m*&#$, um grande poço de vaidades, um grande oceano de falta de respeito por quem tanto se respeitava. Estou em pedaços e não tenho forças para juntar os cacos. A queda foi grande, o impacto abalou as minhas estruturas e eu estou sem vontade de acreditar num futuro melhor.




Pelas costas? Jura? Tinha que ser nessas costas que se colocaram na sua frente tantas vezes pra te defender? Tinha que machucar esse meu já tão picotado coração? Essa navalha que vocês, agressores, usam arde enquanto corta. É uma dor lancinante, é uma dor seca e voraz. Ela passa devastando toda a superfície do coração antes de atingir as principais artérias. E isso doi! Doi muito e doi como nenhuma dor que você já me causou consegue doer. E esse seu silêncio? Você não acha que eu mereço ter os seus ouvidos pregados na minha boca enquanto eu despejo toda a ira que essa sujeirada toda me causou não? Você não acha certo saber se o babaca aqui está vivo ou morto, não? Quantas perguntas pra você, né? Justo você que sempre gostou de ser essa interrogação ambulante. Justo pra quem estou eu perguntando esse monte de desespero meu... triste fico, triste estou.



Eu preciso tentar descobrir quem você é verdadeiramente, porque eu sei exatamente quem sou. E todo mundo sabe quem eu sou. Eu quero conhecer o que existe desse outro lado aí, já que você não ajuda nessa minha volta. Tudo o que eu sempre quis era alguém que me amasse, que se entregasse a mim de corpo e alma (da mesma forma como eu me entrego a cada segundo), que me falasse a verdade na hora certa e não desse valor ao passado que eu não gosto de saber. Não me deixasse saber, não me deixasse encontrar rastros desse seu eu que eu tanto detestaria conhecer exatamente por ser tão diferente de tudo o que eu sempre quis. A mim, resta-me a dor e a dúvida. Essas duas danadinhas que me fazem gotejar sangue por todos os poros. O que eu faço? O que eu devo fazer? Como proceder diante desse inferno? Como arrancar essa dor do meu peito? Como fazer parar? São tantas perguntas e poucas pessoas para me ajudarem a responder. Insensato amor, não faça mais isso comigo. Não comigo. Não com esse cara aqui... ele só faz querer bem e fazer o bem e ser do bem. 



"Amanhã é outro dia, aprendi isso hoje!" Aprendi com o Caio F. e com minha amiga: amanhã, por mais difícil que o hoje esteja sendo pra mim, será outro dia. Espero que isso passe, que a dor se dissipe, que o meu peito volte a sorrir aquele sorriso de primavera ensolarada, porque hoje... hoje ele está escuro, úmido e cheio de morcegos.







11 de julho de 2011

Poço dos desejos











Eu preciso, eu quero, eu necessito. Será? Será mesmo? A gente precisa mesmo de tanta coisa assim? Explicações, justificativas, remorsos, contusões e quedas - tudo isso move um grande exército dentro desse nosso tumultuado coração. A vida, vezenquando, dá uma pisoteada na auto-estima da gente, mas isso é natural. É quase um teste dizendo para você: "ei, você é melhor que isso, levanta aí, vai à luta, se joga". E, depois disso, conta pra mim o que te faz ser assim? Tem jeito? É falta de alguma coisa material, de amor, de carinho. É carência? É pura pirraça? Manha? Ciuminho? O fato é que existem momentos em que essa auto-aceitação é o primeiro passo para deixar para trás velhos costumes e hábitos e seguir em frente. 



Sempre nos preocupamos com o passado, com o que ficou pelo caminho, com o que sobrou. O passado, de forma alguma, não deve ser motivo de vergonha ou desconforto quando, no presente, tudo já está diferente do que era. A mudança faz parte do caminhar e a vida é essa eterna metamorfose. De lagarta, nos transformamos em casulo para poder alcançar a plenitude da borboleta. Assim é a vida, muitas vezes queremos esconder a nossa fase não-tão-bonita-quanto-os-contos-de-fadas pregam por aí e fingir que fomos apenas casulo e borboleta. O aprendizado não deve ser motivo de vergonha, repito.



A gente fica se cobrando soluções, respostas e avaliações positivas sobre a vida, sobre o amor. Os caminhos são sempre os mais cheios de pedras até alcançar o topo da montanha. A vida, esburacada, te joga em muitas armadilhas. O coração, na maioria das vezes, cai em todas as armadilhas. A liberdade é algo que bagunça tanto que a gente acaba preferindo a velha e tradicional casa arrumadinha. Somos preguiçosos e não gostamos da mudança. Mesmo que você não troque de casa, de amor, de amigo, de sapato, a mudança deve ser presença na sua vida. Mudar faz a raiz se fortalecer, os laços ficam mais bem acabados, o pacote fica lindo no fim das contas. E se não ficar? E se der errado? E se... Chega de tanto "e se?". Arricar-se é cada vez mais um tarefa difícil de ser executada. 



Queremos, a todo custo, esquecer e apagar a vida que se viveu. Pedimos aos céus que nossos desejos sejam atendidos. Desejamos jogar uma moedinha antiga num poço dos desejos e ver todos os problemas cotidianos desaparecerem como em um passe de mágica. Ledo engano. Somos fadados à decepção quando tentamos ser o que não podemos, quando julgamos os outros pelo que eles foram, quando não perdoamos e aceitamos as diferenças. Uma relação saudável se faz pelo carinho de ver a pessoa amada dormindo, pelo prazer de buscar um pão na padaria para o café da manhã, pela construção de uma intimidade forte e cheia de empatia. O poço dos desejos só deve ser alcançado quando soubermos o nosso verdadeiro objetivo. Não posso simplesmente querer chegar a qualquer poço dos desejos e fazer qualquer pedido. Tem que ser o meu poço dos desejos e o meu verdadeiro desejo. Tem que ser tudo meu e tudo muito consciente.



Tem gente que passa a vida inteira tentando apagar o passado do companheiro, esquecer, anular. Tudo o que foi vivido (por ambos) preparou o casal para viver o relacionamento que eles têm hoje. As cicatrizes, as marcas, as veias que saltam no pescoço nos momentos de fúria e as belas coisas vividas também são parte importante do passado. Porém, não é o passado que está em andamento, mas sim o presente. Não queira ser a pessoa que ele (ou ela) amou. Queira - e seja - a pessoa que ela ama hoje, a que ela escolheu amar. Não queira ser o amor que não deu certo, motivo pelo qual faz parte do passado. Queira ser o amor certo, o que deu certo. Quando decidir chegar ao seu poço dos desejos, não leve moedinhas ou incertezas. Leve seu objetivo e sua verdade.




5 de julho de 2011

Duas ou três páginas...











Eu me recuso a cultivar o ódio, rancor, raiva, mágoa. Me recuso sempre e me recusarei quantas vezes forem necessárias. Gosto das coisas bonitas, dessa fonte sem serifa, desse formatinho do texto, das paragrafações harmônicas e da minha vida sempre em frente. Quando eu pensei em desistir, o vento quase me derrubou para mostrar que o caminho é reto, sem curvas ou desvios. Os atalhos não devem ser levados tão a sério. São aprendizados de uma infinita história. Ontem eu joguei fora tanta coisa. Eu não quero mais esses velhos erros... eles não cabem mais em mim. Peguei aquele jeans que não me serve mais e doei pra quem tem frio, assim como estou doando aquele abraço que já não serve mais a ninguém.



Estou doando alguns medos e aquela mochila velha que eu carreguei por tanto tempo. Pode pegar se quiser, é tudo seu. Medo só faz bem quando a gente sabe administrar e eu, bem, não sou muito bom em administrar coisas que me fazem sentir medo de ter medo. Não quero, não vou, não posso. Não posso continuar querendo tapar o sol com a peneira e acreditar que todo mundo no mundo consegue ser sincero e verdadeiro comigo. Não posso pensar que você é verdadeiro e sincero comigo. Deixa eu te conhecer melhor, te olhar, te ver realmente. Só assim eu vou saber se posso mesmo confiar em você. Eu tenho um olho bom pra essas coisas.



Peguei aqueles meus defeitos que já estavam empoeirados, organizei e guardei numa caixa preta com bolinhas brancas. Não vou jogar fora, pois posso precisar consultá-los de vez em quando. Eles já me quebraram muitos galhos. Os meus bloquinhos de anotações eu guardei tudo também. Arranquei duas ou três páginas, mas elas nem fazem tanta falta assim. Frustrações, decepções, desencantos e desencontros eu trouxe até aqui só para te mostrar que ninguém vive sem eles. São amigos-íntimos de todo ser humano. Os que já passaram, joguei tudo fora junto com aquele suéter que não entra mais nesse corpinho 2.4 flex. 



Estou esgotado, definitivamente, de guardar tudo o que não me faz bem, me faz feliz. Tudo o que não vale a pena vai para o lixo. Passei a entender melhor as minhas inseguranças e a acreditar que ninguém poderá fazer você feliz. Isso é tarefa sua. As pessoas podem, simplesmente, te proporcionar momentos felizes, mas é você que dará sentido a eles. Nem sempre eu quero ser entendido... não faço questão alguma de mostrar para você o que realmente está acontecendo por trás dessa lágrima indecente que teima em cair. Eu não sou fácil de se decifrar. Digamos que é um grande erro tentar me decifrar sempre. Vai ter vezes que eu não vou querer isso e, principalmente, você não vai querer isso. 



O meu caminho estou escrevendo e é importante ressaltar essa autoria. É meu, meu e meu. Sou eu quem decide quem fica no coração e quem fica pelo caminho. Sou eu quem julga necessário ou desnecessário. Dessa minha vida aqui, cuido eu. Você cuida da sua e faz o que bem entender com ela. Somos diferentes o bastante, capazes o bastante, ferozes o bastante. Independente de qualquer coisa, o importante é seguir em frente. Olhar para trás causa um grande torcicolo para a alma. O pescoço fica paralisado, sabe? Acredito na importância que determinada pessoa teve em um determinado momento da sua vida e isso me basta. Não adianta eu querer estender essa sua estadia no meu coração. É preciso aceitar que tem gente que vai passar. Que passa. Sim, passa e você deve deixar passar sem dor, mágoa ou rancor. A vida ensina o que a gente não trouxe na bagagem e aí a gente guarda tudo com um lindo laço de fita vermelha paixão, porque se apaixonar é sempre preciso. Paixão pela vida, amigos, família.



É aí que você pensa que eu tenho todas as respostas e me pergunta: e agora, o que você irá fazer? Eu te respondo: bem, eu vou ficar aqui. Talvez eu compre um pretinho básico novinho em folha, uma blusa estilo Freddy Krueger, um sapato novo e saia por aí celebrando meus erros, acertos, encontros e desencontros. Talvez eu abra uma garrafa de vinho e brinde a esse ser tão errante e humano que sou. Mas, com certeza, parado eu não vou nunca ficar e nada vai me parar.